Pular para o conteúdo principal
Iniciativa de Paridade de Gênero
Iniciativa de Paridade de Gênero
A woman smiling. Diversity - Inter-American Development Bank - IDB
A group of people sitting at tables
Por que um IPG?

De acordo com o Relatório de Disparidade de Gênero de 2023, levará 131 anos para fechar as disparidades econômicas de gênero. Acelerar a integração igualitária das mulheres na força de trabalho requer políticas públicas inteligentes e práticas empresariais inclusivas.  

Os Aceleradores de Paridade de Gênero ou Iniciativa de Paridad de Género (IPG) são plataformas de colaboração público-privadas de alto nível que buscam apoiar países interessados em reduzir as disparidades econômicas de gênero na identificação e redução de barreiras que impedem as mulheres de acessar oportunidades de emprego. Para isso, o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Fórum Econômico Mundial (WEF) uniram forças em 2016 para promover os IPGs na região da América Latina e Caribe.  

Na América Latina, os IPGs foram adotados em nove países: Argentina (2017), Chile (2016), Colômbia (2019), Costa Rica (2020), Equador (2022), Honduras (2023), Panamá (2018), República Dominicana (2018) e México (2022).

People sitting in an office and a woman with her arms crossed. Labor market - Inter-American Development Bank - IDB
O que eles fazem?

Os IPGs buscam identificar e reduzir as barreiras que impedem as mulheres de acessar oportunidades de trabalho em igualdade de condições. As Iniciativas desenvolvem e implementam planos de ação trienais com medidas concretas para:  

(i) aumentar a participação das mulheres na força de trabalho,   

(ii) reduzir as disparidades salariais entre homens e mulheres; e   

(iii) aumentar a participação feminina em cargos de liderança nos setores público e privado.  

Os IPGs são gerenciados e monitorados por um grupo de liderança composto por representantes de alto nível do governo e do setor privado que orientam o processo, priorizam esforços e garantem o progresso das ações estabelecidas. A implementação de um plano de ação consensual permite que países e empresas troquem conhecimentos e experiências entre pares e recebam apoio técnico contínuo e aconselhamento político durante os anos de execução. As organizações que aderem ao IPG realizam processos de melhoria que lhes permitem posicionar-se como líderes em diversidade e inclusão no mercado de trabalho.  

Mais de 500 empresas de diferentes países se comprometeram a aplicar práticas de negócios inclusivas por meio dos IPGs.  

IPG-publication
Aceleradores de Paridade de Gênero na América Latina 2016–2022: Uma Colaboração Público-Privada para Acelerar a Igualdade

Desde 2016 e até o final de 2022, o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), em colaboração com o Fórum e a Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD), implementou as IPG em nove países da região. Este documento analisa o percurso realizado nestes sete anos, apresenta os resultados alcançados e propõe medidas para fortalecer o modelo.

Download
Women in a factory working on tomatoes Argentina

Lançou o IPG em 2017 junto com um estudo para identificar a lacuna econômica de gênero no mercado de trabalho do país. 20 empresas e 7 organizações governamentais aderiram ao IPG em múltiplos setores.

A group of women in blue uniforms Chile

Estabeleceu o primeiro IPG na América Latina e no Caribe em 2016, ajudando a desenvolver a metodologia IPG para a região. Esse IPG teve papel fundamental na expansão das creches em todo o país. 180 empresas implementaram planos de ação para a igualdade de género entre 2016 e 2020, beneficiando 130 mil mulheres + – ou seja, 7% dos assalariados do setor privado.

A woman in a lab coat working in a laboratory Colômbia

Lançou o IPG em 2019, com foco na aceleração da paridade de gênero no mercado de trabalho. O IPG apoiou a introdução de um subsídio de licença de paternidade de duas semanas, um dos mais elevados da região. O kit de ferramentas "Equirutas" também foi lançado para ajudar as empresas a adotar práticas inclusivas de gênero, e 130+ empresas se juntaram ao IPG em vários setores.

A group of women sitting at a table smiling Costa Rica

Lançou seu IPG em 2020, que busca formalizar e conectar mulheres empreendedoras aos mercados de exportação e expandir o acesso à educação STEM e treinamento de habilidades digitais. Esse IPG promoveu um diálogo político nacional sobre a saúde, levando à aprovação de uma Política do Sistema Nacional de Atenção. 70+ empresas já estão comprometidas com o avanço da igualdade de gênero.

Dominican Republic's Gender Parity Accelerator logo. Sustainable development - Inter-American Development Bank - IDB República Dominicana

Lançou seu IPG em 2018. Teve um papel relevante na regulação do teletrabalho durante a pandemia de COVID-19. 50+ empresas aderiram ao IPG e implementaram iniciativas para reduzir as desigualdades de gênero. As empresas podem utilizar as ferramentas do IPG e são incentivadas a submeter candidaturas ao Selo Nacional de Igualdade de Género "Sello IgualandoRD".

Ecuador's Gender Parity Accelerator logo. Equality - Inter-American Development Bank - IDB Equador

Iniciou seu IPG em 2022, com foco no avanço das mulheres nas carreiras STEM, na implementação da Lei da Economia Violeta do Equador, na promoção de ações de igualdade de gênero no setor privado e em iniciativas de liderança feminina. O webinar "Lei da Economia Violeta" foi realizado em 2023 para abordar medidas inovadoras para eliminar as lacunas que impedem a participação laboral, educacional, social e política das mulheres.

Honduran flag. Inclusion - Inter-American Development Bank - IDB Honduras

Está preparando seu Acelerador de Paridade de Gênero usando uma abordagem baseada em evidências para identificar as disparidades de gênero no país. As três áreas econômicas priorizadas são o setor privado, a agroindústria e a maquila têxtil.

Mexican flag. Employment and Diversity - Inter-American Development Bank - IDB México

Lançou o IPG em 2022 para apoiar o acesso das mulheres ao emprego em igualdade de condições, a participação das mulheres na força de trabalho e a liderança, bem como para reduzir as disparidades salariais entre homens e mulheres. Os setores prioritários do IPG são turismo, TIC e agroindústria.

Two women walking on a suspension bridge Panama

O Conselho Nacional para a Paridade de Gênero foi criado em 2018 para coordenar iniciativas de igualdade de gênero entre vários setores. Ajudou a promulgar a Lei 56, que obriga a representação feminina nos conselhos de administração de empresas estatais e de capital de risco. Apoiou igualmente a Lei da Igualdade de Oportunidades, que visa eliminar as disparidades salariais entre homens e mulheres. 75+ empresas aderiram ao IPG.

Tópicos

Descubra os Tópicos em que trabalhamos para melhorar vidas na América Latina e no Caribe. 

Ver mais
Representações por país

Explore as nossas representações nos diferentes países e o trabalho que realizam para melhorar vidas. 

Ver mais
Jump back to top