Pular para o conteúdo principal
Organização brasileira está entre as ganhadoras do Prêmio Juscelino Kubitschek do BID

Organizações de 26 países latino-americanos e caribenhos enviaram seus projetos

O Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) anuncia as três organizações vencedoras do Prêmio Juscelino Kubitschek, que reconhece as contribuições de destacados atores na economia e nas finanças, assim como nos temas cultural, social e científico. O prêmio leva o nome do destacado ex-presidente brasileiro (1956-61) que impulsionou a fundação do BID, o primeiro banco de desenvolvimento regional do mundo.

Os vencedores foram anunciados pelo Comitê de Seleção do Prêmio. O Instituto Promundo do Brasil e o Fundo Equatoriano Populorum Progressio do Equador competiram pela categoria Social, Cultural e Científica e na categoria de Economia e Finanças o ganhador foi Fonkoze, do Haiti. Nesta mesma ocasião o Comitê de Seleção do Prêmio decidiu entregar menções de honra ao mérito a três organizações, em reconhecimento a excelência de seu trabalho: Ação Empreendedora do Chile, Fundação PROFIN da Bolívia e Young Marine Explorers das Bahamas.

A quarta edição do prêmio, que acontece a cada dois anos, é baseada em inovação. Foram recebidas aproximadamente 400 propostas, representando organizações de 26 países da América Latina e do Caribe. Cada categoria recebe um prêmio de US$100 mil, que é dividido em partes iguais quando existe mais de um ganhador na categoria. A entrega dos prêmios será realizada em abril de 2016 nas Bahamas, durante a Reunião Anual da Assembleia de Governadores do BID.

Presidido pelo presidente do BID Luis Alberto Moreno, o Comitê de Seleção reuniu-se em Washington nos dias 9 e 10 de novembro. O ex-secretário geral Iberoamericano, Enrique V. Iglesias, atuou como secretário do comitê. Os membros deste ano foram o ex-presidente de Equador Osvaldo Hurtado, o ex-governador do Novo México Bill Richardson, o atual governador do Banco da Espanha Luis Maria Linde, o ex-diplomata das Nações Unidas Paulo Pinheiro, o presidente do Banco Japonês para a Cooperação Internacional, Hiroshi Watanabe, a ex-ministra de Relações Exteriores e Comércio de Barbados, Billie Miller, a coordenadora do Programa Amazônia Contemporânea (Amazon IEA), Maritta Koch-Weser, a escritora Nicaraguense Gioconda Belli e da Colômbia, o assessor da presidência da Fundação Avina, Bernardo Toro.

Sobre os ganhadores

CATEGORIA SOCIAL, CULTURAL E CIENTÍFICA

Instituto Promundo – Brasil

O propósito central do Promundo é promover a igualdade de gênero e a prevenção da violência mediante programas dedicados a diversos grupos que incluem crianças, jovens e adultos, particularmente mulheres. Conta com 18 anos de experiência e opera atualmente em nove países da região incluindo Brasil, Bolívia, Chile, Costa Rica, Equador, El Salvador, Guatemala, México e Nicarágua.

No Brasil Promundo já beneficiou um total de 104 mil pessoas, incluindo 2.100 educadores e 4 mil alunos só no programa PEGE (Promovendo a Igualdade de Gênero nas Escolas). Em nível internacional a participação foi de 10 mil profissionais de educação e saúde em 22 países.

Promundo cria, inova e experimenta novas metodologias que são validadas por profissionais de saúde, educação e membros das comunidades, o que garante o êxito de seus modelos/intervenções que logo são replicadas por outras instituições a nível internacional. Seus modelos já foram reconhecidos pela NFPA, UNICEF, Banco Mundial e PNUD.

Fundo Equatoriano Populorum Progressio – Equador

O propósito principal do Fundo Equatoriano Populorum Progresio (FEPP) é impulsionar o desenvolvimento integral de organizações de mulheres e homens do campo (indígenas, afro-equatorianos, montubios, mestiços) e populações urbanas marginalizadas. O FEPP tem 45 anos de existência, coordena seus programas com 2.175 organizações de base e atende a 144 mil famílias que representam aproximadamente 724 mil pessoas em 21 províncias e 92 cantões do país.

É pioneiro e tem gerado um efeito de réplica relevante em matéria de assegurar a propriedade da terra e por seu apoio as microfinanças comunitárias. Graças ao trabalho do FEPP, em todo o país têm surgido estruturas financeiras locais que realizam intermediação financeira, prestam serviços a seus sócios (as) e contribuem para o desenvolvimento local. Está organizado e conectado com 18 redes provinciais e tem constituído uma grande rede nacional, a RENAFIPSE.

Esta organização já recebeu vários prêmios internacionais sobre microfinanças de camponeses pelo PNUD (2003), pela Associação de Empreendimentos Sociais Italianas (2002 e 2004) e pela Presidência da República do Equador (Ordem Nacional ao Mérito).

CATEGORIA ECONOMIA E FINANÇAS

Fonkoze – Haiti

Fonkoze impulsionou a inclusão financeira no Haiti durante os últimos 20 anos. É composto por Sèvis Finansye Fonkoze (SFF), a maior instituição de microfinanças do país, e a Fundação Fonkoze, que presta serviços complementares de educação, saúde e desenvolvimento empresarial aos clientes do SFF e outros membros da comunidade. SFF é uma organização com dupla finalidade: ajudar as famílias e comunidades do Haiti a saírem da pobreza e serem autossuficientes desde o ponto de vista financeiro.

Além disso, SFF assume o compromisso em colocar seus serviços ao alcance das comunidades mais vulneráveis do Haiti, aproveita e integra inovações —como a tecnologia de telefonia móvel— para chegar a mais clientes e construir uma organização totalmente haitiana incorporando os cidadãos do país em sua junta diretiva e em cargos chave de liderança, em sua maioria já desempenhados por haitianos.

Contam com 200 mil depositantes e 60 mil mutuários, sobretudo das áreas rurais, que são atendidos por meio de uma rede nacional. Possui também um papel fundamental para fornecer capital a pequenos empresários e para fomentar a economia e empreendimentos femininos.

Fonkoze desenvolveu a “Boutik Sante”, que é uma iniciativa de franquia social que amplia o acesso aos serviços e produtos básicos de saúde em zonas rurais do Haiti enquanto que ao mesmo tempo serve como uma fonte de ingressos para seus clientes, que se convertem em franqueados.

Jump back to top