Pular para o conteúdo principal
Novo estudo do BID: Coreia oferece lições sobre comércio, investimento e políticas públicas na América Latina e no Caribe

Relatório preparado para o Fórum Empresarial Coreia-América Latina e Caribe descreve as oportunidades para ampliar as relações

Nos últimos anos, a emergência da China como potência econômica tem eclipsado outras economias dinâmicas da Ásia, incluindo a Coreia. Mas um novo estudo divulgado hoje pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) argumenta que os países da América Latina e Caribe devem voltar sua atenção para a Coreia, uma economia em rápido crescimento que oferece muitas oportunidades para o comércio e os investimentos bilaterais.

O estudo Coreia Breaking the Mold do Relacionamento Ásia-América Latina foi coordenado e escrito por Mauricio Mesquita Moreira, coordenador da pesquisa pelo setor de Integração e Comércio do BID, e pela pesquisadora associada Cecilia Heuser. Este estudo foi preparado para o Fórum Empresarial Coreia-América Latina e Caribe, uma grande conferência internacional que ocorre nos dias 21 e22 de outubro em Seul, Coreia.

"A Coreia representa muito mais do que apenas outro mercado de exportação atrativo para os países latino-americanos, ou uma fonte de investimento estrangeiro", diz Moreira. "A Coreia é uma prova de que os países em desenvolvimento são capazes de ascender até o cume em busca de maior prosperidade econômica, se eles seguirem uma política econômica prudente e dedicar vastos recursos à educação e à inovação."

Em menos de 30 anos, a Coreia transformou sua economia - após a Guerra da Coreia, por exemplo, havia apenas a metade da renda per capita em relação à média dos países em desenvolvimento -, e se tornou uma economia altamente sofisticada, sendo o maior exportador de uma ampla gama de produtos de alta tecnologia -, e que é apoiada por sua vez a uma força de trabalho altamente qualificada e um setor privado de primeira classe em todo o mundo. Hoje, a Coreia tem uma economia de um bilhão de dólares e mostra uma renda per capita de cerca de US$ 20.000, com um crescimento médio de 7 por cento ao ano desde o início dos anos sessenta.

Apesar de ter recursos limitados, a Coreia, assim como a China, importa grandes quantidades de recursos naturais da América Latina como minerais, petróleo e agrícolas -, bens manufaturados representam cerca de 30 por cento do que a Coreia compra da América Latina e no Caribe. Isto acontece em parte porque a Coreia foi modernizada para além do seus setores de trabalho intensivo, e nem sequer representam uma ameaça competitiva para a maioria das indústrias na América Latina e no Caribe, segundo o relatório.

Nos últimos sete anos, a Coreia também tem alocado três vezes mais do que a China o investimento estrangeiro direto na América Latina, investindo em mineração, bem como fábricas,produzindo todos os tipos de produtos manufaturados, de roupas a produtos mais sofisticados, como televisores, eletrônicos e eletrodomésticos. No próximo ano, a Hyundai Motors abriu uma fábrica de montagem de automóveis no Brasil para construir variável de combustível de carros para um mercado consumidor que está em um processo de crescimento rápido.

Durante as últimas duas décadas, o comércio bilateral entre Coreia e América Latina e Caribe cresceu rapidamente, expandindo a uma taxa média anual de 16,1 por cento, mais rápido que seu comércio com o crescimento dos EUA (7,4 por cento) ou a União Europeia (7,4 por cento). Apenas o comércio com a China cresceu a uma taxa mais rápida anual, de 27,5 por cento. No entanto, o comércio bilateral entre a Coreia e a América Latina e Caribe é atualmente de apenas US$44 bilhões, representando apenas 2,5 por cento do comércio na América Latina e no Caribe. Isto significa que ainda há muito espaço para crescimento.

Parte da razão para a rápida expansão do comércio são as profundas reformas econômicas empreendidas na América Latina desde meados de 1980, que reduziram as barreiras comerciais com o resto do mundo. Acordos de livre comércio (TLC) com o Chile e Peru, e as futuras negociações TLC com México e Colômbia, se juntarão a esta dinâmica.

No entanto, o estudo observa que o comércio continua altamente concentrado em apenas cinco países do cone sul da América do Sul. A existência de barreiras tarifárias e não tarifárias, bem como a presença de gargalos logísticos, ainda fazem com que o custo do transporte de mercadorias seja alto. Além disso, poucas empresas latino-americanas se aventuraram a entrar na Coreia com investimentos próprios, e a maioria deles ainda tem espaço para explorar esse mercado.

Os governos de ambas as regiões estão expandindo seus acordos de cooperação Sul-Sul, trocando ideias e experiências sobre ciência e inovação tecnológica, e tendo em conta também as melhores práticas em educação e tecnologias de energia limpa.

"Estas iniciativas só arranham a superfície de um vasto leque de oportunidades com a Coreia e América Latina para aprender uns com os outros", diz Moreira.

Jump back to top