Pular para o conteúdo principal

Estudo apoiado pelo BID recomenda ações pela equidade de gênero entre PMEs brasileiras

•    Levantamento realizado em parceria do BID com Nubank e apoio do Sebrae mostra que MEIs masculinos têm receita média 23% maior que as equivalentes femininas
•    Publicação sugere ampliação de acesso a crédito e outras medidas para diminuir lacuna entre os gêneros no empreendedorismo brasileiro

 

Brasília, dezembro de 2021 – A pandemia ampliou as lacunas entre microempreendedoras e microempreendedores no Brasil e, para superar essas diferenças, recomendam-se ações como ampliação de crédito para mulheres empreendedoras e assistência especializada no empreendedorismo feminino. É o que traz o estudo “Mulher, Empresária Individual”, apoiado pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento e Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) e desenvolvido pelo Nubank.

Segundo o levantamento feito com base nos clientes do Nubank, em 2020, Microempreendedores Individuais (MEIs) masculinos apresentaram uma receita média 10,8% que os femininos – uma diferença que aumentou quase 13 pontos percentuais, passando para 23%, já nos primeiros sete meses de 2021.

“Superar as diferenças de gênero é essencial não só para as mulheres empreendedoras, mas para a sociedade e para a economia como um todo. O BID está engajado em colaborar com essa pauta no Brasil e em toda América Latina e inclusive elencou a promoção da equidade de gêneros como um dos eixos centrais de sua Visão 2025, a rota de apoio à recuperação econômica da região. Contar com o conhecimento técnico e a solidez de instituições como Nubank e Sebrae é fundamental para que avancemos”, diz Morgan Doyle, representante do Grupo BID no Brasil.

Rafaela Nogueira, Gerente de Relações Institucionais no Nubank, doutora e mestre em economia pela Fundação Getúlio Vargas, que coordenou o levantamento de dados do estudo, afirma que “em meio a pandemia, houve uma aceleração na diferença entre os rendimentos das mulheres empreendedoras e homens que também lideram seus próprios negócios. Isso confirma que a lacuna entre os gêneros no País ainda é um dos desafios mais evidentes do empreendedorismo por aqui e se reflete no quanto cada empreendedor ganha em seus negócios”.

Para Renata Malheiros, coordenadora do programa SEBRAE Delas, os impactos da pandemia de Covid-19 foram mais intensos para as mulheres não só na diferença de renda, mas também em relação à vida pessoal, já que, ao avaliar os negócios liderados por mulheres, é preciso considerar a perspectiva sócio-econômica. Mesmo antes da crise sanitária, elas já dedicavam cerca de 10,4 horas a mais que homens por semana para atividades domésticas e de cuidado com a família, segundo o IBGE.

NEGÓCIOS FECHADOS
Os dados compilados pelo estudo mostram que a crise da Covid-19 também foi mais intensa para o fechamento de micronegócios liderados por mulheres. De acordo com o levantamento, o número de mulheres empreendedoras caiu 50% a mais do que o número de homens que fecharam seus negócios.

Além disso, a crise também atingiu a capacidade de economizar dos empreendedores, com reflexos piores para as mulheres. Na função Guardar Dinheiro, do Nubank, por exemplo, a diferença entre os depósitos de mulheres e homens só tem crescido. Em 2019, elas conseguiram guardar 17,2% em volume financeiro a menos do que os homens. Em 2021, essa diferença entre o montante guardado entre eles e elas aumentou para 47,6%.

Diante deste cenário, o estudo traz recomendações do BID com o objetivo de contribuir para a diminuição dessas disparidades, incluindo:

- Mais crédito para micro, pequenas e médias empresas (MPMES) de propriedade de mulheres
- Incentivos financeiros para empresas lideradas por mulheres ou comprometidas com igualdade de gênero
- Uso de mecanismos financeiros inovadores, como bônus de gênero, para viabilizar esse financiamento
- Assistência às empresas criadas por mulheres, apoiando-as a tirar proveito de inovação, digitalização e ampliação de mercado


 

Sobre o BID
O Banco Interamericano de Desenvolvimento tem como missão melhorar vidas. Criado em 1959, o BID é uma das principais fontes de financiamento de longo prazo para o desenvolvimento econômico, social e institucional da América Latina e o Caribe. O BID também realiza projetos de pesquisas de vanguarda e oferece assessoria sobre políticas, assistência técnica e capacitação a clientes públicos e privados em toda a região.
 

Sobre o Nubank

O Nubank foi fundado em 2013 para libertar as pessoas de um sistema financeiro burocrático, lento e ineficiente. Desde então, por meio de tecnologia inovadora e excelente atendimento ao cliente, a empresa vem redefinindo o relacionamento das pessoas com o dinheiro em toda a América Latina. Com operações no Brasil, México e Colômbia, o Nubank é hoje uma das maiores plataformas digitais de serviços financeiros do mundo, reinventando a vida financeira de mais de 48 milhões de clientes.


O Nubank atingiu esse patamar ao oferecer um cartão de crédito sem anuidade, totalmente gerenciado por um aplicativo e uma conta digital, livre de tarifas. O Nubank também oferece empréstimo pessoal transparente e descomplicado, uma conta para pequenas e médias empresas e seguro de vida. Em 2020, a empresa anunciou a aquisição da corretora digital Easynvest, agora Nu invest, uma das primeiras corretoras a oferecer acesso online à Bolsa no Brasil, que possui mais de 2,8 milhões de clientes e R$ 33 bilhões de ativos sob custódia. 

O Nubank, ao longo dos sete anos de sua história, levantou mais de US$ 2 bilhões com alguns dos investidores de tecnologia mais conhecidos do mundo, como Berkshire Hathaway, Sequoia, DST, Tencent, Tiger, Kaszek, Founders Fund, Dragoneer, TCV, Redpoint, Ribbit, GIC, Whale Rock, Invesco, QED e Capital Group.

Hoje, o Nubank é uma empresa global, com escritórios em São Paulo (Brasil), Cidade do México (México), Buenos Aires (Argentina), Bogotá (Colômbia), Durham (Estados Unidos) e Berlim (Alemanha). Foi fundado em 2013 em São Paulo, pelo colombiano David Vélez, e tem como co-fundadores a brasileira Cristina Junqueira e o americano Edward Wible.
 

Sobre o Sebrae

O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) é uma entidade privada que promove a competitividade e o desenvolvimento sustentável dos empreendimentos de micro pequenas empresas– aqueles com faturamento bruto anual de até R$ 4,8 milhões.

Para garantir o atendimento aos pequenos negócios, o Sebrae atua em todo o território nacional. Além da sede nacional, em Brasília, a instituição conta com pontos de atendimento nas 27 Unidades da Federação, onde são oferecidos cursos, seminários, consultorias e assistência técnica para pequenos negócios de todos os setores.
 

Contato de Imprensa

Borges De Padua Goulart Janaina

Borges De Padua Goulart Janaina
Contactos de Prensa Externos

Bruno Aragaki

Bruno Aragaki
Additional Contacts

Radaelli,Vanderleia

Radaelli,Vanderleia

Gouvea Gomes,Livia

Gouvea Gomes,Livia
Jump back to top