Pular para o conteúdo principal
Coalizão Verde de bancos de desenvolvimento públicos pretende mobilizar até US$ 20 bilhões para o desenvolvimento sustentável da Amazônia

DUBAI– Os bancos públicos de desenvolvimento da Coalizão Verde pretendem mobilizar entre US$ 10 bilhões e US$ 20 bilhões ao criar uma plataforma de desenvolvimento sustentável. Esses recursos serão direcionados para a agenda de desenvolvimento da Amazônia 2024-2030, com a colaboração dos parceiros internacionais da Coalizão Verde, para apoiar o financiamento de investimentos sustentáveis na região amazônica.

O anúncio foi feito durante a COP 28 em Dubai, onde a Coalizão Verde também lançou seu plano de ação para os próximos dois anos, cujos resultados serão apresentados na COP 30 em Belém, no Brasil, a cidade onde nasceu essa iniciativa.

Com base em princípios de colaboração e inovação, a Coalizão Verde se concentrará em formular soluções financeiras e proporcionar apoio técnico, garantindo a escalabilidade de empresas e projetos ambientalmente e socialmente responsáveis na Amazônia.

O plano de ação articula uma estratégia abrangente em torno de quatro linhas fundamentais de trabalho. Em primeiro lugar, a Coalizão Verde vai identificar as necessidades e integrar perspectivas de desenvolvimento local para apoiar novas oportunidades de financiamento de projetos de desenvolvimento sustentável. 

Em segundo lugar, o plano visa desenvolver estruturas comuns de investimento e financiamento, adaptadas especificamente à conservação da biodiversidade da Amazônia e ao bem-estar das comunidades locais, compreendendo as necessidades únicas da região. Em terceiro lugar, o plano inclui o estabelecimento de um laboratório de inovação, com foco no design conjunto de instrumentos financeiros específicos para a região e assistência técnica. Por fim, a estratégia engloba a mobilização de recursos concessionados para implementar essas iniciativas por meio dos bancos públicos de desenvolvimento da Coalizão Verde.

Além da mobilização de recursos e assistência técnica, a Coalizão Verde buscará reduzir as barreiras de financiamento por meio de empréstimos e instrumentos de financeiros para a Amazônia, alavancando iniciativas lideradas por seus membros, os bancos públicos de desenvolvimento dos países amazônicos na América Latina, incluindo o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), proponentes da Coalizão Verde, assim como parceiros internacionais como o Banco Mundial e a CAF.

"Estamos concentrando nossos esforços na promoção e integração de atividades econômicas sustentáveis que ofereçam alternativas econômicas aos cidadãos, visando proteger a saúde do bioma amazônico em benefício das gerações presentes e futuras. Esta iniciativa da Coalizão Verde está alinhada com os objetivos do programa guarda-chuva do BID, Amazônia Sempre. Nesse sentido, estamos priorizando as empresas e iniciativas que demonstrem sustentabilidade social, ambiental e econômica para promover a preservação e recuperação dos recursos naturais da Amazônia", disse Ilan Goldfajn, Presidente do BID, enfatizando que o Banco atualmente atua como secretariado técnico para a iniciativa.

"O BNDES reconhece o valor que a cooperação multilateral da Coalizão contribui para alcançar soluções que permitam que a Floresta Amazônica permaneça em pé, produtiva e promova melhorias na renda e no desenvolvimento humano na região, estabelecendo a restauração florestal como uma prioridade para a sequestro de carbono em larga escala, uma medida eficaz e urgente para preservar e fortalecer a maior floresta tropical do planeta e o bioma mais estratégico para o desafio da emergência climática. Criada em Belém em agosto, agora vemos a Coalizão Verde chegando à COP28 em dezembro em sua fase operacional e com metas definidas para os próximos dois anos até a COP30, seu retorno a Belém. Entre os desafios prioritários, o BNDES identifica, com base em sua experiência reconhecida na Amazônia, a regularização fundiária, logística, acesso à energia e internet, segurança, saneamento, a necessidade de desenvolver o ecossistema de negócios e a falta de assistência técnica rural, além de instrumentos de mitigação de risco para atrair investimentos", como mencionado por Aloizio Mercadante, Presidente do BNDES, que também assume a Presidência do Comitê Diretivo da Coalizão Verde.

A região amazônica é fundamental para os ecossistemas de todo o mundo, proporcionando 40% da água doce da América Latina e regulando os ciclos hidrológicos e de nutrientes para o continente sul-americano. Dado o crescente consenso científico de que a bacia do Amazonas está chegando a um “ponto de inflexão”, há uma necessidade urgente de adotar medidas para proteger o bioma, levando em conta, ao mesmo tempo, o desenvolvimento social e econômico da região.

President Ilan speaking to the audience at COP28

 

Sobre a Coalizão Verde

Formada depois da Cúpula da Amazônia, a Coalizão Verde reúne 20 bancos de desenvolvimento em uma parceria estratégica para catalisar o desenvolvimento econômico sustentável na região amazônica. Centrada no bem-estar social e na sustentabilidade, a coalizão se dedica a promover empresas e iniciativas que incorporem responsabilidade socioambiental e sustentabilidade.

Com uma visão profundamente arraigada na proteção da biodiversidade global e do clima, a coalizão tem como objetivo mitigar a pobreza, a fome e as disparidades sociais, especialmente nas comunidades indígenas e tradicionais. A abordagem da Coalizão Verde é centrada em combinar inovação financeira e apoio técnico para incentivar um crescimento que respeite e revitalize a Amazônia, buscando um futuro em que a prosperidade econômica e a integridade ecológica coexistam, em benefício tanto das comunidades locais como globais.

Website: www.green-coalition.com

América Latina e Caribe na COP28

Os países da América Latina e do Caribe são uma parte fundamental da solução para os desafios climáticos mundiais. No Pavilhão das Américas do BID, o Banco está organizando mais de 30 eventos com líderes e especialistas internacionais para apresentar iniciativas de ação climática, desde instrumentos financeiros de ponta até a conservação e uso sustentável dos recursos naturais, a Amazônia, uma transição econômica justa, entre outros. Os jornalistas que forem cobrir a COP28 presencialmente em Dubai serão bem-vindos para visitar o pavilhão, sem necessidade de registro. Consulte a programação de eventos aqui. Para jornalistas que forem cobrir a COP28 remotamente, é necessário registrar-se para acessar as transmissões de eventos selecionados.

Localização: Pavilhão das Américas do BID no Blue Zone, Opportunity District (OA04G2), Pavilhão #56

Sobre o BNDES

O BNDES é o principal instrumento de financiamento e investimento de longo prazo do governo brasileiro para promover o desenvolvimento social e econômico do Brasil. O apoio do BNDES leva em conta o desenvolvimento sustentável do país por meio da geração de emprego, renda e inclusão social. O BNDES é reconhecido por seu papel na promoção de projetos verdes e sociais, como gestor do Fundo Amazônia e o maior financiador mundial de energias renováveis. Estimular a inovação e o desenvolvimento regional é uma das prioridades do BNDES. Mais informações: https://ri.bndes.gov.br/en/ 

Sobre o BID

O Banco Interamericano de Desenvolvimento tem como missão melhorar vidas. Fundado em 1959, o BID é uma das principais fontes de financiamento de longo prazo para o desenvolvimento econômico, social e institucional da América Latina e do Caribe. O BID também realiza projetos de pesquisa de vanguarda e oferece assessoria sobre políticas, assistência técnica e capacitação a clientes públicos e privados em toda a região. Acesse nosso tour virtual.

Contato de Imprensa

Molina Medina,Vanessa Carolina

Molina Medina,Vanessa Carolina

Borges De Padua Goulart Janaina

Borges De Padua Goulart Janaina
Você também pode estar interessado em

AMAZÔNIA SEMPRE

Um programa holístico guarda-chuva para o desenvolvimento sustentável da região, que visa trabalhar conjuntamente a conservação da floresta e do clima com o melhoramento da qualidade de vida das pessoas, oferecendo alternativas econômicas.

Leia mais
Jump back to top