Pular para o conteúdo principal
Campanha para controlar a doença de Chagas

A Bolívia espera reduzir substancialmente, no prazo de cinco anos, a incidência da doença de Chagas, que é fatal, com um programa financiado em grande parte pelo BID.

Um dos problemas de saúde pública mais prementes do país, a doença de Chagas responde por 13% de todas as mortes de bolivianos entre 15 e 75 anos. A doença, que é causada pelo parasita Trypanosoma cruzi, pode produzir inflamação fatal nos tecidos do cérebro e do coração. O parasita é transmitido primariamente por insetos que se alimentam de sangue, cujo hábitat ideal são as gretas nas casas de tijolo cru e teto de sapé, comuns nas áreas rurais da Bolívia, e por transfusões de sangue contaminado.

No âmbito de um programa de US$53,7 milhões, para o qual o BID contribuirá com US$45 milhões, o Ministério da Saúde e Previdência Social da Bolívia lançará uma campanha abrangente com o objetivo de controlar os insetos transmissores da doença, tratar a doença de Chagas em crianças abaixo dos cinco anos, preservar os suprimentos nacionais dos bancos de sangue e implementar um sistema de vigilância epidemiológica. A Organização Pan-Americana da Saúde está oferecendo suporte técnico ao projeto.

No primeiro estágio do programa, as equipes de saúde pública tentarão fumigar cada uma das cerca de 700.000 casas da área em que a doença de Chagas é endêmica (ver mapa). No segundo estágio, a reinfestação será controlada com o treinamento das comunidades locais em técnicas de vigilância e controle.

Além de visar a erradicação da doença de Chagas, o programa fortalecerá o Sistema Nacional de Vigilância Epidemiológica da Bolívia com atividades de capacitação e intercâmbio de informações. A rede de laboratórios do país será modernizada e os bancos de sangue e os centros de transfusão receberão equipamentos e treinamento em medidas de controle de qualidade.

Serão lançadas campanhas de educação pública para promover doações voluntárias de sangue em centros de toda a Bolívia. Essas medidas ajudarão a prevenir a proliferação de outras doenças graves transmitidas através do sangue, como hepatite e HIV/AIDS, além da doença de Chagas.

Os recursos do programa do BID também serão usados para financiar estudos de estratégia de reformas e projetos piloto destinados a ampliar a cobertura do atendimento médico aos grupos mais vulneráveis da Bolívia, sobretudo em comunidades rurais indígenas.

Jump back to top