Pular para o conteúdo principal

BID vê espaço para Brasil ampliar serviço público digital; 86% se adaptaram à vida online

•    PESQUISA INÉDITA APONTA ALTOS NÍVEIS DE ACESSO À INTERNET E DE USO DE SERVIÇOS VIRTUAIS, PÚBLICOS E PRIVADOS, NO BRASIL
•    LEVANTAMENTO REALIZADO DURANTE A PANDEMIA OUVIU 13.250 PESSOAS SOBRE SATISFAÇÃO COM SERVIÇOS PÚBLICOS DIGITAIS
•    ALTA ADESÃO A ATIVIDADES ONLINE SE MOSTRA COMO VANTAGEM PARA O PAÍS ACELERAR RECUPERAÇÃO ECONÔMICA


12 de Março.2020 –  Da solicitação de segunda via de documentos via celular às conversas via Whatsapp, as atividades mediadas pela internet ganharam espaço durante a pandemia, e os brasileiros – 86% deles – já se sentem adaptados ao mundo digital. É o que revela a pesquisa “Satisfação dos cidadãos com serviços públicos digitais”, publicada hoje pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

Realizada entre outubro e dezembro de 2020 com 13.250 entrevistados, a maior do gênero já feita na América Latina e Caribe, a pesquisa teve como objetivo identificar o grau de adaptação e as lacunas existentes entre os brasileiros e os serviços públicos e privados oferecidos de maneira virtual. Com 87% dos participantes reportando acesso à internet com wi-fi em casa, e 95% a partir do celular, a pesquisa mostra penetração da internet no país, ainda que com lacunas regionais e de qualidade, em níveis que representam oportunidades para expandir o acesso a serviços públicos de maneira rápida e custo-eficiente.


“Em um país com as dimensões e a heterogeneidade do Brasil, contar com uma população com tal nível de maturidade digital é uma grande vantagem tanto para a recuperação econômica, quanto para a formulação de políticas públicas. Pela internet, o poder público pode chegar cada vez mais perto dos cidadãos. Vemos aqui uma população capacitada para isso, e governos que já se movimentam nessa direção”, diz Morgan Doyle, representante do Grupo BID no Brasil.


Percepção dos serviços públicos online

Com uma gama crescente de serviços públicos oferecidos online, o governo federal brasileiro entrou, no ano passado, para o top 20 de governos com melhor desempenho no índice de serviços públicos digitais do mundo, segundo a Organização das Nações Unidas (ONU). Além disso, a Política Nacional de Modernização do Estado, a Estratégia de Governo Digital 2020-2022 e a Estratégia Nacional de Segurança Cibernética representam importantes avanços de política pública nessa agenda.

De acordo com o estudo do BID, das dez principais atividades realizadas de forma digital nos últimos seis meses, duas eram relativas a serviços de responsabilidade do poder público: solicitar algum benefício social (34% dos entrevistados) ou pedir algum documento (16% dos entrevistados).


Entre as vantagens reportadas pelos brasileiros ao optar pelos serviços públicos digitais, 46% destacam a economia de tempo e 29% elogiam o fato de não terem de se deslocar até a repartição pública – vantagens que indicam que, mesmo com o fim da necessidade de distanciamento social, a preferência por atendimentos online pode perdurar.

O estudo também aponta que a satisfação com os serviços públicos digitais supera amplamente os níveis de insatisfação, nos três níveis de governo. Ainda assim, destaca que há margem para aperfeiçoamento e espaço para aumentar a divulgação desses serviços, visto que há diferenças importantes de conhecimento entre as três esferas de governo:


Satisfação com serviços públicos digitais:
•    Federais: 55% de satisfação, 14% de insatisfação e 31% de neutralidade
•    Estaduais: 53% de satisfação, 11% de insatisfação e 36% de neutralidade
•    Municipais: 54% de satisfação, 13% de insatisfação e 33% de neutralidade

Conhecimento dos serviços públicos digitais:
•    Federais: 70%; destaque para o portal Gov.Br – 90% de conhecimento
•    Estaduais: 66%
•    Municipais: 56%

Digitalização do setor público
As oportunidades que a digitalização representa para a oferta de serviços públicos mais custo-efetivos são significativas. Dados de outras pesquisas do BID mostram que uma transação digital custa 5% de uma operação equivalente presencial. O suporte online também é mais rápido: na América Latina, processar um trâmite público requer, em média, 5,4 horas; digitalmente, o tempo necessário são 30 minutos.  


Para fazer melhor uso deste potencial, alguns dos passos primordiais que o BID recomenda para que governos possam adotar distintas tecnologias com eficiência e segurança são: 

•    Governança e institucionalidade: definir uma instituição responsável e dotá-la de capacidade, estabelecer mecanismos de participação para todos os atores relevantes, incluindo cidadãos e o setor privado, elaborar planos com objetivos mensuráveis e recursos para atingir as metas. 
•    Talento digital: é crítico atrair e reter talento na administração pública e formar talento suficiente especializado em novas tecnologias para os setores público e privado. 
•    Adoção de novas tecnologias: a partir da adoção da computação em nuvem, abre-se espaço para o uso do big data e consequentemente a incorporação de inteligência artificial, o que permite aos governos não apenas oferecer os serviços digitalmente, mas também gerar inteligência e capacidade preditiva para enfrentar problemas que afetam a população. Em linha com as práticas dos países mais avançados do mundo nessa agenda, o objetivo deve ser chegar a uma administração pública proativa, que procure o cidadão e atenda suas necessidades sem que o cidadão tenha que dar início a trâmites oficiais.
•    Segurança da informação: O Brasil é um dos países mais afetados do mundo por ataques cibernéticos, que na América Latina cresceram 450% durante os primeiros seis meses da pandemia. A proteção dos dados pessoais requer não somente regulação, mas também capacidade de detecção, resposta e recuperação pelas instituições. Planos de gestão de riscos, centros de emergências de cibersegurança e mecanismos para o monitoramento da infraestrutura tecnológica são fundamentais. Investir em segurança da informação é primordial para a eficiência e confiabilidade dos serviços.
•    Uso ético dos dados: Além de seguir a Lei Geral de Proteção de Dados do país e adotar boas práticas para o uso inteligente dos dados e informações coletados ao longo da oferta dos serviços, o uso ético diz respeito ao rigor necessário no momento de se estabelecerem algoritmos para tomada de decisões de políticas públicas que sejam livres de vieses e que tenham compromisso com a igualdade de direitos. 
•    Conectividade: Avançar em questões de qualidade e acesso à banda larga no país também será essencial.

Sobre o BID

O Banco Interamericano de Desenvolvimento tem como missão melhorar vidas. Criado em 1959, o BID é uma das principais fontes de financiamento de longo prazo para o desenvolvimento econômico, social e institucional da América Latina e o Caribe. O BID também realiza projetos de pesquisas de vanguarda e oferece assessoria sobre políticas, assistência técnica e capacitação a clientes públicos e privados em toda a região.
 

Contato de Imprensa

Borges De Padua Goulart Janaina

Borges De Padua Goulart Janaina
Contactos de Prensa Externos

Bruno Aragaki

Bruno Aragaki
Additional Contacts

Lafuente,Mariano

Lafuente,Mariano
Jump back to top