Pular para o conteúdo principal
BID vê avanços digitais no Brasil como chave para aproveitar potencial de nearshoring

O BID apresentou três estudos sobre o progresso do Brasil na digitalização e seu potencial impacto no crescimento econômico.

SÃO PAULO - O avanço do Brasil nos últimos anos na área digital é uma grande oportunidade para o país aumentar suas exportações e sua participação no comércio global. A afirmação foi feita por Mauricio Claver-Carone, presidente do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), durante seu discurso de boas-vindas no Brasil Investment Forum (BIF) 2022 nesta terça-feira.

Organizado pelo BID, pela ApexBrasil e pelo governo brasileiro, o BIF chega à sua quinta edição como o maior fórum de investimentos privados da América Latina e Caribe. Acontece em São Paulo nos dias 14 e 15 de junho e oferece a chance de destacar oportunidades da economia brasileira – como conquistas na digitalização.

“O BID tem trabalhado arduamente para que o Brasil possa aumentar suas exportações, melhorar sua participação na economia global e, ao mesmo tempo, gerar mais emprego e inclusão, aproveitando sua maturidade digital”, disse o presidente Claver-Carone. "Fornecemos aos setores público e privado nossa capacidade técnica e de financiamento para que o potencial do Brasil se transforme em oportunidades", acrescentou.

De acordo com um estudo recente elaborado pelo BID, o Brasil lidera a região da América Latina e Caribe em contratações via Linkedin e em número de Fintechs. Além disso, o país tem um investimento potencial em banda larga de US$ 9,5 bilhões, segundo análise do BID com a Anatel, agência de telecomunicações do país.

Acompanhar o desenho de políticas que aceleram a transformação digital é um dos pilares estratégicos da Visão 2025, impulsionador do crescimento da infraestrutura e da geração de empregos e melhores rendas.

Três avanços concretos no Brasil na digitalização

Nos últimos tempos, estudos do BID têm apontado o bom desempenho do Brasil em questões de digitalização.

  • O Brasil registrou a maior taxa de contratação via LinkedIn na região desde o início da pandemia, e também tem a mais ampla penetração de capacitação em tecnologia, segundo o estudo LinkedIn na América Latina e Caribe: uma transformação acelerada do mercado de trabalho devido à pandemia?.
  • A terceira edição do estudo Fintech na América Latina e Caribe: um ecossistema consolidado de recuperação pelo BID, BID Invest e a empresa de inovação Finnovista destaca a ascensão do ecossistema fintech na América Latina e no Caribe, que cresceu 112% entre 2018 e 2021. A pandemia do COVID-19 impulsionou a digitalização das atividades e acelerou a adoção e consolidação das finanças digitais. O Brasil lidera em número de plataformas fintech (31% do total da região), seguido pelo México (21%) e Colômbia (11%).
  • No terceiro estudo, em preparação, o BID, o BID Invest e a Agência Nacional de Telecomunicações do Brasil (Anatel) descobriram que o Brasil tem potencial para investimentos de US$ 9,5 bilhões em infraestrutura de Internet de banda larga. O relatório também estima que a expansão da penetração da banda larga poderia desencadear um crescimento do PIB de 2,4%.

Sobre o BID

A missão do Banco Interamericano de Desenvolvimento é melhorar vidas. Fundado em 1959, o BID é uma das principais fontes de financiamento a longo prazo para o desenvolvimento econômico, social e institucional na América Latina e no Caribe. O BID também realiza projetos de pesquisa de ponta e oferece orientação sobre políticas, assistência técnica e treinamento para clientes públicos e privados em toda a região.

Contactos de Prensa Externos

Bruno Aragaki

Bruno Aragaki
Jump back to top