Pular para o conteúdo principal
BID lidera declaração de multilaterais para ampliar investimentos baseados na natureza

Instituições internacionais assinaram declaração conjunta liderada pelo BID na COP26 e anunciam plano para integrar a natureza em políticas, análises e investimentos

Glasgow – Bancos Multilaterais de Desenvolvimento (BMDs) liderados pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) comprometeram-se hoje a integrar a natureza em suas políticas e ampliar significativamente os financiamentos baseados na natureza para seus países membros. Mediante a declaração conjunta “Natureza, Pessoas e Planeta", os organismos se comprometem a ajudar os países para que definam e implementem estratégias de sustentabilidade.

O Presidente do BID, Mauricio Claver-Carone, liderou o anúncio durante o evento da Cúpula de Líderes Mundiais sobre Florestas e Uso da terra na Conferência da ONU sobre Mudança Climática COP26.

"O capital natural é decisivo na recuperação pós-COVID-19 para a América Latina e o Caribe e para o mundo. É uma fonte de geração de emprego e renda, aumenta os investimentos do setor privado e protege de forma resiliente serviços ecossistêmicos essenciais. Por essa razão o BID redobrou seu trabalho em mudança climática e biodiversidade no último ano e por isso é um pilar central de nossa Visão 2025 para a recuperação da região”, disse Claver-Carone.

O compromisso dos BMDs centra-se em cinco pilares:

  • Liderança: Definição de abordagens estratégicas institucionais para apoiar a integração da natureza nas análises, avaliações, recomendações, investimentos e operações até 2025;
  • Estímulo de investimentos “positivos para a natureza”: Desenvolvimento de projetos, modelos de negócio e instrumentos de financiamento para apoiar a atividade econômica que procurem reverter os impulsionadores de perda da natureza e promover sua proteção e regeneração;
  • Promoção de sinergias em nível nacional e regional: Incentivo aos setores público e privado e organizações internacionais para trabalharem juntos e apoio aos governos para revisar suas Estratégias Nacionais para a Biodiversidade e Planos de Ação de acordo com o Marco Global de Biodiversidade Pós-2020;
  • Valorização da natureza para orientar a tomada de decisões: Uso de ferramentas novas e existentes para clientes do setor público e privado para melhorar a valoração, administração sustentável, proteção e restauração da natureza e seus ativos naturais a fim de produzir benefícios de desenvolvimento;
  • Informação: Alinhamento de objetivos e desenvolvimento de ferramentas e metodologias colaborativas para monitorar investimentos “positivos para a natureza” nas carteiras e melhorar os informes públicos sobre esforços e iniciativas para integrar a natureza em análises e operações.

Os BMDs que assinaram a declaração com o BID são o Grupo Banco Africano de Desenvolvimento, o Banco Asiático de Desenvolvimento, o Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura, o Banco de Desenvolvimento do Caribe, o Banco Europeu para a Reconstrução e o Desenvolvimento, o Banco Europeu de Investimento, o Banco Islâmico de Desenvolvimento e o Grupo Banco Mundial. A declaração está disponível aqui.

A ONU estima que os oceanos e ecossistemas terrestres mundiais estão absorvendo, cada um, 25% de emissões, e soluções baseadas na natureza poderiam responder por 40% da redução de emissões de carbono necessária para limitar o aquecimento global a menos de dois graus Celsius até 2030.

A América Latina e o Caribe possuem os ativos mais cruciais para alimentar soluções baseadas na natureza. Além de conter sete dos 25 hotspots de biodiversidade, a região abriga 40% da biodiversidade mundial, 30% da água doce e quase 50% das florestas tropicais do mundo. No entanto, esse ativo natural não está sendo aproveitado e projetos baseados na natureza na região não estão alcançando seu pleno potencial, principalmente devido à falta de conhecimento técnico, estratégia e financiamento. Em alguns casos, as políticas públicas ainda atuam como subsídios negativos para a biodiversidade.

Abordagem holística para o capital natural

Nos últimos cinco anos, o BID investiu mais de US$ 800 milhões em 28 projetos com componentes de soluções baseadas na natureza. O Banco implementou novos mecanismos de financiamento sob uma abordagem holística focada em melhora climática e ecossistemas mais saudáveis, bem como novas oportunidades para empregos e crescimento verdes. Um exemplo é o Natural Capital Lab, um laboratório de financiamento dedicado a integrar e apoiar projetos de financiamento inovadores por todo o Banco.

Este ano, o BID lançou uma nova classe de ativos de capital natural na Bolsa de Valores de Nova York. Isso possibilitará que os países convertam seus ativos naturais em capital financeiro, negociem os serviços ecossistêmicos que eles proporcionam e atraiam investidores institucionais. O Banco ajudou a Costa Rica a se tornar o primeiro país a oferecer seus ativos naturais nessa plataforma inovadora.

O BID também desenvolveu a Iniciativa Amazônia, um programa para apoiar atividades de bioeconomia e regenerativas na Bacia Amazônica. Além disso, o Banco garantiu US$ 279 milhões do Fundo Verde para o Clima (GCF), o maior fundo climático do mundo, para financiar um instrumento de US$ 600 milhões para alavancar investimentos em apoio a adaptação e mitigação dos impactos da mudança climática na bacia amazônica.

Sobre o BID

A missão do Banco Interamericano de Desenvolvimento é melhorar vidas. Fundado em 1959, o BID é uma das principais fontes de financiamento de longo prazo para o desenvolvimento econômico, social e institucional da América Latina e do Caribe. O BID também realiza pesquisas de ponta e oferece assessoria de políticas, assistência técnica e capacitação para clientes do setor público e privado em toda a região.

Contato de Imprensa

Borges De Padua Goulart Janaina

Borges De Padua Goulart Janaina
Additional Contacts

Watson,Gregory

Watson,Gregory
Jump back to top