Pular para o conteúdo principal
BID lança Programa de Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos

Participe e siga-nos no Twitter usando #BID2013 @BIDecosistemas

Novo programa apoiará desenvolvimento sustentável na América Latina e Caribe

O Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) está lançando um Programa de Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (BSE) que ajudará a América Latina e o Caribe a aproveitar seu capital natural para alcançar o desenvolvimento sustentável.

O Programa apoiará medidas e projetos que integrem o valor econômico da biodiversidade e os serviços ecossistêmicos nos principais setores produtivos e infraestrutura, completem brechas de conhecimento sobre ecossistemas prioritários, identifiquem oportunidades de negócio que façam uso sustentável da biodiversidade e seus serviços, e promova a cooperação Sul-Sul de intercâmbio de conhecimentos e políticas eficazes.

A América Latina e o Caribe compõem uma região de grande riqueza de biodiversidade e ecossistemas que geram benefícios vitais para as pessoas, incluindo alimentos, água, mitigação de inundações, paisagens impressionantes, e lugares sagrados, entre outros. Estes benefícios, conhecidos como serviços ecossistêmicos, apoiam a setores como a agricultura, a pesca, a silvicultura e o turismo, os quais empregam 17% da força de trabalho, representam 15% do produto interno bruto da região, e a metade de suas exportações.

“O programa aproveitará a vantagem competitiva da região que representa seu capital natural para gerar novas fontes de emprego e crescimento, e assim satisfazer a demanda crescente de desenvolvimento na América Latina e o Caribe”, disse o presidente do BID, Luis Alberto Moreno, quem anunciará hoje o Programa BSE durante a Reunião Anual do BID no Panamá.

O Banco estabeleceu um fundo especial de múltiplos doadores e proporcionou inicialmente US$ 3 milhões do capital ordinário em 2013 para financias bolsas, preparações de empréstimos, produtos de conhecimento e capacitação.O primeiro contribuinte do fundo é a Agência Presidencial para a Cooperação (APC) da Colômbia.

A APC se converterá em sócio fundador, com uma contribuição inicial de US$ 700 mil. Este esforço da Colômbia reflete a liderança do país e o interesse existente na região em avançar no desenvolvimento sustentável.

O BID tem previsto unir forças com uma série de partes interessadas, como governos, empresas e organizações da sociedade civil. Este esforço transversal ajudará a fomentar a governança ambiental, aumentar a inovação do setor privado na proteção do meio ambiente, aumentar o financiamento para a medição e monitoramento da biodiversidade e os serviços ecossistêmicos e sua conservação.

Jump back to top