Pular para o conteúdo principal
Banco Interamericano de Desenvolvimento aprovou o realinhamento de sua organização básica

A Diretoria Executiva do Banco Interamericano de Desenvolvimento aprovou hoje uma nova organização da instituição com o objetivo de responder de maneira mais eficiente aos desafios de desenvolvimento da América Latina e do Caribe.

O objetivo da proposta apresentada pelo presidente do Banco, Luis Alberto Moreno, é aumentar a efetividade da instituição para responder a esses desafios. Para isso, o Banco aprofundará o enfoque nos países e no conhecimento setorial e enfatizará uma gestão baseada no manejo de riscos e na obtenção de resultados.

"Trata-se de uma mudança importante na maneira como o BID encarará os desafios que tem pela frente. Queremos levar o Banco para perto dos países, tanto para audiências nacionais como regionais e locais. Acima de tudo queremos que o Banco seja um agente de mudança real na vida dos latino-americanos e caribenhos", disse o presidente Moreno.

Durante a reunião anual realizada em Belo Horizonte em abril passado, os Governadores do BID endossaram uma visão do Banco para os próximos anos. Essa visão indica que o BID deve promover a redução da pobreza e da desigualdade mediante a promoção do crescimento e o apoio ao desenvolvimento sustentável; fomentar a coesão social, criando oportunidades para a maioria; apoiar o desenvolvimento do setor privado e a geração de emprego; e incentivar a integração dos países da região.

O novo modelo organizacional - cujo êxito dependerá em grande medida da mudança na cultura institucional - busca aumentar a capacidade de resposta do Banco e fortalecer sua competência estratégica e técnica mediante a articulação de todos os seus processos em quatro vice-presidências: Vice-Presidência de Países, Vice-Presidência de Setores e Conhecimento, Vice-Presidência do Setor Privado e Operações sem Garantia Soberana e Vice-Presidência de Finanças e Administração. Estas estarão subordinadas ao Presidente e ao Vice-Presidente do BID.

"O Banco conta com o conhecimento e o talento humano necessários para fazer frente aos desafios do século 21. O que faltava era um realinhamento de sua organização para que essas competências e habilidades possam ser alavancadas e postas em ação eficazmente em benefício da região", acrescentou Luis Alberto Moreno.

Entre as áreas estratégicas em que se aprofundarão o conhecimento e as capacidades técnicas do Banco estão as seguintes:

  • Ampliação das oportunidades para a maioria. Inclui gerar políticas, estratégias e programas que ampliem as oportunidades de moradia, o acesso a crédito, a serviços financeiros, a infra-estrutura básica, a oportunidades de emprego e de identificação e inscrição da população indocumentada, e às tecnologias da informação e da comunicação na região. Essas atividades conduzirão à melhoria das condições de vida e à inserção econômica e social da maioria da população dos países da região.

  • Apoio à consecução dos Objetivos do Milênio mediante a implementação de políticas sociais eficazes que sejam conducentes à redução da pobreza, ao desenvolvimento do capital humano e à melhoria das condições de vida dos setores mais carentes da população.

  • Apoio ao desenvolvimento da ciência e da tecnologia e sua incorporação aos processos produtivos a fim de respaldar os aumentos necessários em produtividade e inovação.
  • Promoção do investimento em infra-estrutura para atrair investimentos adicionais, aumentar a competitividade da região e aprofundar sua integração física e energética. Isso permitirá melhorar as perspectivas de integração regional e da região com o mundo.
  • Desenvolvimento de fontes de energia limpa e sustentável, promovendo a produção e o uso de biocombustíveis, a expansão de outras fontes renováveis e a integração das redes energéticas nacionais.
  • Promoção do desenvolvimento do setor privado e da geração de emprego, mediante a implementação da ampliação recente do mandato do Banco para todos os setores da iniciativa privada, e para empresas estatais e entidades subnacionais sem garantia de governo.

O Banco apoiará em especial os países da América Latina e do Caribe na consecução de um desenvolvimento ecologicamente sustentável e socialmente inclusivo, da boa governança e da erradicação da corrupção e da cooperação e integração regionais.

As atividades de implementação do novo modelo organizacional começarão imediatamente.

Jump back to top