Pular para o conteúdo principal
Peritos se reúnem no BID para o primeiro grupo de trabalho dos bancos de desenvolvimento multilateral sobre as Indústrias Culturais e Criativas

O Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) foi sede da primeira reunião do grupo de trabalho dos Bancos de Desenvolvimento Multilateral sobre as Indústrias Culturais e Criativas (ICC), também conhecida como Economia Laranja, organizada em cooperação com o Banco Asiático de Desenvolvimento (BAD), o Banco Africano de Desenvolvimento (BAfD), o Banco de Desenvolvimento do Caribe (BDC) e o Grupo do Banco Mundial. O objetivo do encontro foi compartilhar as melhores práticas, compreender melhor e enfrentar os desafios existentes nas ICCs, aumentar a compreensão das ICCs como mecanismos de crescimento pelos Bancos de Desenvolvimento Multilateral (BDM) e explorar oportunidades de colaboração com esse setor.

"Este primeiro encontro que organizamos reafirma a importância das ICCs, um setor que não somente contribui para a criação de empregos e riqueza, mas também tem o potencial de catalisar inovação, permeando áreas tradicionais de desenvolvimento tais como saúde, educação e igualdade de gênero, e trazer coesão e mudança social", disse Trinidad Zaldivar, chefe da Divisão de Assuntos Culturais, de Solidariedade e Criatividade do BID.

Apesar do crescente interesse em ICCs como mecanismo de desenvolvimento, encontrar uma maneira sistemática de abordar esse setor ainda é desafiador. As Indústrias Culturais e Criativas abrangem múltiplas disciplinas, o que dificulta para as instituições de políticas públicas compreenderem completamente suas estruturas e dinâmicas, bem como descobrir as melhores metodologias e instrumentos para alavancar oportunidades.

Além dos bancos multilaterais de desenvolvimento, a reunião do grupo de trabalho contou com a presença de representantes de bancos nacionais de desenvolvimento, especialistas em economia criativa, empresários, funcionários governamentais e representantes de outras instituições internacionais.

Emanuela Gregorio, Especialista em Gênero, especializada na inovação e indústrias criativas no Banco Africano de Desenvolvimento, disse: "No BAfD temos trabalhado em estreita colaboração com os outros BDMs para fazer com que esse grupo de trabalho avance. Estamos felizes pelo fato de que o BID tenha assumido a liderança na convocação desta reunião muito importante. Essas indústrias já estão crescendo, mas podemos acelerar seu crescimento se pudermos resolver as lacunas na atual arquitetura de financiamento fazendo uso de novas tecnologias".

"Nós temos a honra de ter sido os anfitriões no BID desta primeira reunião do grupo de trabalho do MDB sobre indústrias culturais e criativas, e desejamos poder continuar sempre oferecendo nossa colaboração", disse Helga Flores, Especialista Principal do BID.

O termo Economia da Laranja refere-se à atividade econômica na intersecção de cultura, comércio e tecnologia. Inclui setores cujos bens e serviços baseiam-se em propriedade intelectual, como filme, moda, design, videogames, patrimônio cultural entre outros. Essas indústrias geram US $2,25 trilhões por ano em receitas, mais do que os setores de telecomunicações ou química e empregam quase 30 milhões de pessoas em todo o mundo.

Sobre o BID

O Banco Interamericano de Desenvolvimento é dedicado a melhorar vidas. Fundado em 1959, o BID é uma fonte líder de financiamento de longo prazo para desenvolvimento econômico, social e institucional na América Latina e no Caribe. O BID também realiza pesquisas de ponta e fornece assessoria política, assistência técnica e treinamento para clientes do setor público e privado em toda a região. Desde 1960, forneceu mais de US $1,6 bilhão para financiar cerca de 300 projetos envolvendo indústrias culturais e criativas.

Jump back to top