Notícias

Seleção de inovações para combater a COVID-19 e seus efeitos sociais e econômico

- Editais abertos pelo governo de SP buscam soluções para desafios trazidos pela pandemia ao setor público de todo o país

- Iniciativas selecionadas terão mais chance de receberem financiamento e serão preparadas para processos de compra ou contratação por órgãos públicos

Foi aberto nesta segunda (15) e vai até agosto o prazo para inscrever-se nos editais do IdeiaGov, iniciativa do governo de São Paulo apoiada pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) para selecionar projetos inovadores no combate à COVID-19 ou a seus efeitos sociais e econômicos.

Podem participar pessoas físicas ou jurídicas de dentro e de fora do Brasil que tenham propostas já prontas para serem implantadas ou preparadas para serem desenvolvidas e ajudar os governos a enfrentar desafios trazidos pela pandemia.

Os projetos serão avaliados por equipe multidisciplinar, incluindo especialistas do Hospital das Clínicas de São Paulo, do BID e de outras instituições de renome. Há três editais abertos no momento:

  • Testes acessíveis e confiáveis: o desafio aqui é ampliar a capacidade de testagem para diferentes órgãos públicos e níveis de governo, para produção em escala, para detecção precoce ou mesmo histórico de infecção por COVID-19.  As inscrições vão de 15 de junho a 10 de agosto.
  • Inteligência artificial para diagnóstico de COVID-19: os interessados terão de 17 de junho a 12 de agosto para enviar propostas de algoritmos que, com base em exames de imagem (como raios-x e tomografias computadorizadas de tórax) indiquem a contaminação pelo novo coronavírus.
  • Ofertas de tecnologias de saúde pública para o enfrentamento da COVID-19: até 10 de agosto, serão recebidas propostas inovadoras de tecnologias, produtos ou processos que combatam a proliferação do vírus ou ajude os governos a aliviar os impactos negativos da doença.

Recompensas

A participação nas chamadas é gratuita, e, caso selecionadas, as propostas terão benefícios como:

  • Orientação de especialistas de saúde, tecnologia, finanças públicas e outros setores relevantes para que a proposta se transforme em realidade;
  • Acesso a laboratórios e instalações hospitalares de ponta para o desenvolvimento da solução;
  • Conexão com governos e com o BID, o que não garante, mas aumenta as chances de financiamento para a iniciativa;
  • Visibilidade e apoio para expansão das soluções validadas para redes de saúde do Brasil e da América Latina.

Além de participar da estruturação dos editais e da avaliação das propostas, o BID usará também sua capilaridade na região para aproximar do Brasil as melhores iniciativas inovadoras dos países vizinhos.

“Apesar das particularidades de cada local, muitos dos desafios impostos pela pandemia são comuns a diversos governos da região. A vantagem é que o Brasil especialmente e os países vizinhos contam com um ecossistema de inovação maduro e dinâmico, capaz de prover soluções escaláveis e mais custo-efetivas para os governos. Acreditamos no potencial desses setores para encontrarmos soluções que beneficiarão a todos”, diz Morgan Doyle, representante do BID no Brasil.

Sobre o BID

O Banco Interamericano de Desenvolvimento tem como missão melhorar vidas. Fundado em 1959, o BID é uma das principais fontes de financiamento de longo prazo para o desenvolvimento econômico, social e institucional da América Latina e do Caribe. O BID também realiza projetos de pesquisa de vanguarda e oferece assessoria em políticas, assistência técnica e capacitação aos clientes públicos e privados em toda a região.