Notícias

Exportações da América Latina e do Caribe caem após dois anos de expansão

O valor das exportações da América Latina e do Caribe recuará 2,4% em 2019 após dois anos de crescimento robusto, segundo relatório do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) que analisa o desempenho comercial de 25 países da região.

O informe prevê que a tendência de queda nas exportações continuará nos próximos meses, devido à desaceleração da demanda global, à volatilidade dos mercados de produtos básicos e à incerteza em torno das tensões comerciais globais.

Depois de crescer 8,7% em 2018 e 12,2% em 2017, a região entraria na terceira fase de contração comercial em uma década. A retração no valor das vendas externas da América Latina e do Caribe seguiu a tendência do comércio mundial, que caiu 3,1% nos três primeiros trimestres de 2019 em relação ao ano anterior.

De acordo com a estimativa, as exportações brasileiras caíram 6,8% em relação ao ano anterior, devido à queda tanto dos preços como das quantidades. Os embarques mais baixos para o resto da América do Sul (–23,7%), em particular de veículos de transporte para a Argentina, explicaram metade da redução. Retrações das vendas a União Europeia (–11,1%) e a China (–3,5%) representaram três pontos percentuais adicionais da contração total.

A contração foi causada principalmente pela queda nos preços dos principais produtos básicos exportados pela região, em um contexto de estagnação do crescimento dos volumes exportados, segundo a última edição da série Estimativas das Tendências Comerciais da América Latina e do Caribe.

"Enquanto as economias avançadas começam a sinalizar um retorno cauteloso do otimismo, as emergentes continuam apresentando fatores de risco para as exportações da América Latina e do Caribe", destacou Paolo Giordano, Economista Principal do Setor de Integração e Comércio do BID e coordenador do estudo.

O enfraquecimento das exportações foi causado pela contração nas vendas da região para a União Europeia (-7,0%), América Latina e Caribe (-10,8%) e particularmente a China, cujas importações caíram 2,3% após um aumento de cerca de 25% em 2018. Com um crescimento de 1,0%, os Estados Unidos foram o único fator de expansão das vendas externas na região, embora as exportações para aquele país tenham crescido a um ritmo muito mais lento em relação ao ano anterior.

Preços das exportações

O minério de ferro foi o único dos principais produtos básicos de exportação da região cujo preço aumentou em 2019 (38,4% entre janeiro e outubro), devido a uma série de fatores excepcionais, que afetaram a oferta, como a interrupção da produção no Brasil e eventos climáticos adversos na Austrália.

O preço do petróleo, que em 2017 e 2018 impulsionou a recuperação das exportações na região, reverteu a tendência e caiu 12,9% nos primeiros 10 meses de 2019, em comparação com o mesmo período de 2018.

O cobre viu seu preço cair 8,3% de janeiro a outubro, relativamente a igual período de 2018. A soja recuou 5,8% e o café 17,1% no mesmo período, enquanto o açúcar permaneceu relativamente estável durante 2019.

Desempenho dos países

Na América do Sul, as exportações recuaram a uma taxa estimada de 7,2%, depois de crescer 8,2% em 2018. O Caribe, por sua vez, registrou uma contração estimada de 10,8%.

Na Mesoamérica, as exportações cresceram 3,1%, como resultado de uma expansão de 3,3% nas exportações do México e de 1,5% nas da América Central. Embora tenham permanecido em um patamar positivo, as vendas externas desses países cresceram a taxas significativamente mais baixas do que o ano anterior.

Por outro lado, as importações da região caíram a uma taxa estimada de 3,1%, evidenciando a retração da atividade em vários países da América Latina e do Caribe e os efeitos colaterais da queda na demanda de exportações.

O relatório foi elaborado pelo Setor de Integração e Comércio do BID e seu Instituto para a Integração da América Latina e o Caribe (INTAL).

Sobre o BID

Banco Interamericano de Desenvolvimento tem como missão melhorar vidas. Criado em 1959, o BID é uma das principais fontes de financiamento de longo prazo para o desenvolvimento econômico, social e institucional da América Latina e o Caribe. O BID também realiza projetos de pesquisas de vanguarda e oferece assessoria sobre políticas, assistência técnica e capacitação a clientes públicos e privados em toda a região.

Contato de imprensa

Trade export table

Mais Informações

Paolo Giordano
Economista comercio
paolog@iadb.org