News banner image

Notícias

México melhorará a qualidade da educação em pequenas comunidades rurais
O México elevará a qualidade de um programa revolucionário que oferece educação a crianças de comunidades rurais e indígenas isoladas com um financiamento de US$ 100 milhões aprovado pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento.

Os recursos serão usados para melhorar o recrutamento, capacitação e condições de trabalho de instrutores comunitários, com o objetivo de aumentar o desempenho educacional das crianças atendidas. Os instrutores comunitários costumam ser adultos jovens que se dispõem a viver e lecionar em comunidades rurais durante pelo menos um ano em troca de um salário modesto e da promessa de uma bolsa de estudos para dar continuidade à sua formação.

Os professores são contratados pelo Programa de Educação Comunitária, que foi lançado mais de 30 anos atrás pelo CONAFE (Consejo Nacional de Fomento Educativo), como uma resposta à dificuldade de encontrar professores escolares de carreira dispostos a viver e trabalhar permanentemente em aldeias isoladas com população muito escassa para justificar a construção de uma escola tradicional.
Hoje, mais de 35.000 instrutores comunitários trabalham em programas de educação pré-escolar, primária e secundária, bem como em educação inicial e orientação para pais de crianças de até quatro anos de idade, em comunidades que solicitam o serviço.

Para entrar no programa, os instrutores (cuja idade média é de 20 anos) precisam ter completado pelo menos o 9º ano fundamental e estar dispostos a assumir o compromisso de viver e lecionar em uma comunidade rural durante um ano. Os instrutores recebem um treinamento inicial intensivo e apoio mensal contínuo de tutores do CONAFE ao longo de todo o período. Para cada ano de trabalho em uma comunidade, o instrutor recebe uma bolsa de estudos de 30 meses para concluir o ensino médio ou matricular-se em um programa de educação superior.

Após obter avanços documentados na extensão do acesso à educação para as comunidades mais marginalizadas do México, o CONAFE está concentrado agora em melhorar o desempenho educacional das crianças que fazem uso de seus programas, uma vez que suas pontuações em testes padronizados têm se mantido abaixo da média nacional.

Com esse objetivo, o CONAFE usará o empréstimo do BID para pôr em prática uma estratégia voltada a atrair e manter candidatos mais qualificados no Programa de Educação Comunitária, aperfeiçoando seu treinamento e desenvolvimento profissional e oferecendo melhores incentivos e condições de trabalho para os instrutores em 179 municípios fortemente marginalizados. Os recursos também serão usados para melhorar os sistemas de informação, planejamento e monitoração do CONAFE.

Como resultado dessas medidas, o CONAFE espera obter um aumento de 10% no número de instrutores comunitários que permanecem por um segundo ano de trabalho nos 179 municípios-alvo e uma redução de 5% no número daqueles que abandonam o programa durante o ano acadêmico. O CONAFE também espera que a pontuação média dos alunos desses municípios no teste padronizado mexicano ENLACE aumente pelo menos 5%.

Esta é a segunda operação do BID em apoio a programas do CONAFE. A primeira, concluída em 2007, foi de US$ 210 milhões.

O custo total do novo programa é de US$ 166,7 milhões, com fundos de contrapartida locais de US$ 66,7 milhões. O empréstimo de US$ 100 milhões do BID tem prazo de 25 anos, período de carência de 4,5 anos e taxa de juros baseada na LIBOR.

Ver link à direita ("Um exército de professores voluntários") para uma descrição mais detalhada da experiência de dois instrutores do CONAFE e das crianças atendidas por eles.