News banner image

Notícias

BID e Banco Mundial saúdam iniciativa de livre comércio das Américas

O Banco Mundial e o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) saudaram hoje uma iniciativa lançada por 12 países das Américas para promover o livre comércio no Hemisfério Ocidental.

A iniciativa “Caminhos para a Prosperidade” foi anunciada quinta-feira, depois que líderes do Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, República Dominicana, El Salvador, Guatemala, Honduras, México, Panamá, Peru e Estados Unidos reuniram-se em Nova York.

O presidente do BID, Luis Alberto Moreno, e o presidente do Grupo Banco Mundial, Robert B. Zoellick, aplaudiram a iniciativa como um esforço oportuno para defender os ganhos econômicos laboriosamente obtidos pela América Latina diante da instabilidade financeira mundial. O comércio tem sido uma ferramenta poderosa para o crescimento da região, que se apoiou muitas vezes nas exportações para se recuperar de crises passadas.

“Eu saúdo essa iniciativa porque o comércio internacional pode desempenhar um papel importante na superação da pobreza”, disse Zoellick. “Com o impasse das negociações comerciais multilaterais da Rodada Doha, é mais importante do que nunca que os países avancem na liberalização do comércio.”

“Este não é o momento para recuar no processo de liberalização do comércio, mas sim para aprofundar nossa integração econômica”, afirmou Moreno. “A ratificação dos acordos de livre comércio entre Estados Unidos, Colômbia e Panamá seria um passo importante na direção certa.”

No âmbito da nova iniciativa, os países cooperarão para construir uma arquitetura aberta que fortaleça os intercâmbios regionais e seja consistente com o sistema de comércio mundial. Buscarão, simultaneamente, aumentar as oportunidades para que seus cidadãos se beneficiem com a expansão do comércio, compartilhar melhores práticas em padrões de mão-de-obra e meio ambiente e envolver o setor privado e a sociedade civil na promoção dessas metas.

Moreno e Zoellick observaram que, na última década, os países do Hemisfério Ocidental produziram mais de 30 acordos comerciais abrangentes com parceiros do mundo todo, abrindo novos mercados e oportunidades de negócios para suas empresas, gerando novos empregos para seus trabalhadores e aumentando sua competitividade econômica.

O comércio internacional também levou a uma maior integração regional, com o fortalecimento da confiança entre vizinhos e de redes de partes interessadas que compartilham metas comuns de prosperidade, acrescentaram. Como resultado, os países latino-americanos estão cooperando mais intensamente em uma série de questões transfronteiriças, de infra-estrutura a proteção ambiental e segurança.

“No BID, isso é levado a sério”, disse Moreno. “Estamos fortemente empenhados em promover a integração comercial e econômica, proporcionando assistência aos países latino-americanos e caribenhos na implementação de novos acordos comerciais e fortalecendo suas capacidades em áreas chave, como facilitação do comércio, promoção das exportações e competitividade econômica. Mas esses esforços precisam ser apoiados por uma política que derrube as barreiras ao comércio. Nenhum momento é mais apropriado do que este tempo de turbulência para mobilizar a vontade política necessária.”

“O Grupo Banco Mundial está expandindo rapidamente os seus serviços de facilitação do comércio e isso pode ser feito em conjunto com grupos regionais”, disse Zoellick. “Oferecemos auditorias de facilitação de comércio e transporte e pacotes de ferramentas para modernização dos portos. Podemos fazer o comércio multilateral funcionar melhor por meio do compartilhamento de experiências práticas de corte de custos e aumento da eficiência. E podemos ajudar os países a simplificar e harmonizar os procedimentos e a documentação em cadeias de fornecedores.”