América Latina e Caribe devem ter crescimento mais lento nos próximos quatro anos

Março 19, 2009
Líderes da América Latina e do Caribe prevêem que a renda per capita cairá ou terá um crescimento moderado no período de 2009-2012 e que os governos dependerão mais de financiamentos de instituições internacionais, de acordo com uma pesquisa realizada pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). Essas expectativas contrastam vivamente com o desempenho econômico recente da região, em que o produto per capita cresceu 4,1% ao ano nos últimos cinco anos.

A América Latina face ao panorama mundial

Outubro 31, 2005
Muitos temem o grande poder econômico de que se investiu a Ásia devido ao “vício chinês” de comprar dólares, já que existe o risco de uma elevação das taxas de juros e de uma recessão global se essa compra de dólares for interrompida, observou recentemente o economista-chefe do Departamento de Pesquisa do BID, Guillermo Calvo.

Tratado de livre comércio México–União Européia abre perspectivas para América Latina

Julho 30, 2004
O tratado de livre comércio México–União Européia (TLCUEM), que completa quatro anos de existência neste mês de julho, foi a primeira iniciativa de liberalização do comércio da Europa com um país do continente americano e resultou num crescimento de 27% no comércio bilateral. (1)

O perfil do jovem empreendedor na América Latina

Julho 26, 2004
Eles pertencem à classe média, têm diploma universitário, começam a pensar em ter seu próprio negócio aos 25 anos, mas não abrem suas empresas menos de cinco anos depois. Estas são as características do jovem empresário latino-americano, de acordo com recente estudo desenvolvido pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento e que é tema do livro Desarrollo Emprendedor (publicado em espanhol e cuja versão em inglês sairá em outubro de 2004).

O efeito multinacional

Janeiro 21, 2004
Muitas pessoas partem do princípio de que o investimento de firmas multinacionais está ligado a efeitos econômicos negativos no país que as hospeda ou rejeitam a hipótese de que o investimento direto estrangeiro acelera o crescimento da produtividade das empresas nacionais.