Pular Navegacão global
Notícias
BID - Home > Notícias
Comment Tool Comente
Comment Tool Comente

Seu comentário sobre esta página:






Share Tool Compartilhar
close Share Tool Compartilhar

Comunicados de imprensa

28/01/2011

Receitas agrícolas e emprego em áreas tropicais da América Latina devem declinar com a proibição do desmatamento

Estudo mostra que a proibição não deve elevar significativamente os preços mundiais dos alimentos, mas destaca a necessidade de políticas compensatórias para combater a pobreza local

Agricultores da América Latina e do Caribe terão perdas de bilhões de dólares em suas receitas nas duas próximas décadas se for instituída uma proibição total do desmatamento, o que destaca a necessidade de ações compensatórias para aliviar a pobreza nas áreas rurais afetadas, de acordo com novo estudo do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). O estudo também diz que uma proibição do desmatamento teria um impacto insignificante sobre os preços dos alimentos.

Os países menores da América Central e Caribe, com menos alternativas econômicas dentro e fora da agricultura, sofreriam de maneira desproporcional com a proibição, enquanto países maiores e mais diversificados, como o Brasil, podem acabar se beneficiando com essa medida, de acordo com o estudo “Agriculture Greenhouse Emissions in Latin America and the Caribbean” (em inglês), que foi apresentado hoje durante um seminário na sede do BID em Washington D.C.

O estudo prevê que uma hipotética proibição total do desmatamento de florestas tropicais para a agricultura na América Latina e do Caribe poderia gerar grandes perdas agrícolas potenciais nessas áreas. Por exemplo, em 2030 os agricultores receberão US$ 12,7 bilhões (em dólares de 2000) a menos do que poderiam receber sem a proibição. Embora haja muita incerteza quanto ao valor das emissões de gases de efeito estufa no mercado, a compensação que poderia ser obtida através da venda de créditos de carbono somente poderia cobrir um pouco mais da metade das perdas agrícolas totais associadas à proibição, levando-se em conta o preço médio de 2009 de aproximadamente US$ 4,30/t CO2 eq.

A América Latina e o Caribe estão sob intensa pressão para ampliar a produção agrícola de modo a atender a crescente demanda mundial por alimentos, biocombustíveis e ração animal, que, segundo as expectativas, deve subir entre 50% e 85% no período de 2009 a 2030. O desmatamento e a degradação das florestas são hoje a principal fonte de emissões de gases de efeito estufa na região e estudos científicos sugerem que políticas para deter a destruição da cobertura florestal serão fundamentais para estabilizar as emissões mundiais desses gases. O estudo é parte dos esforços contínuos do BID para melhorar as informações e o entendimento sobre os custos e benefícios potenciais de políticas de mitigação e adaptação à mudança climática.

“Nosso estudo apoia outros estudos empíricos que indicam que a renda potencial que as populações pobres rurais poderiam receber pela proteção da floresta é muito menor que a renda que costumam obter desmatando a terra para plantar”, disse Eirivelthon Lima, Economista de Recursos Naturais do BID, que coordenou o estudo ao lado de Stephen A. Vosti, economista da Universidade da Califórnia, Davis. “Uma proibição total do desmatamento nos trópicos da América Latina e do Caribe exigiria, portanto, políticas compensatórias para tornar a proibição viável e evitar o aumento da pobreza local.”

As perdas econômicas derivadas da proibição seriam desigualmente distribuídas nas áreas tropicais. O norte da América do Sul em torno da Amazônia sofreria cerca de 32% de todas as perdas. Ao mesmo tempo, a proibição induziria um aumento da produtividade agrícola e uma mudança no mix de produtos em áreas não-tropicais da região, o que poderia gerar ganhos econômicos de aproximadamente US$ 3,4 bilhões e algumas emissões adicionais de gases de efeito estufa.

Em termos mundiais, os efeitos da proibição do desmatamento sobre a pobreza seriam muito pequenos, uma vez que produtores e consumidores pelo mundo acabarão se ajustando à ausência de alimentos vindos de áreas hipoteticamente protegidas. Os preços dos alimentos seriam mantidos essencialmente em sua tendência de longo prazo normal. Isso é uma notícia muito boa para os pobres, incluindo as muito grandes populações urbanas da América Latina e Caribe.

O estudo também prevê que, nos próximos 20 anos, a pecuária superará o desmatamento e a degradação florestal como principal fonte de emissões de gases de efeito estufa na América Latina e no Caribe.

Para mais informações

Eirivelthon Lima
Especialista em Recursos Naturais
(202) 623-2999
elima@iadb.org

Contato de imprensa

© 2014 Banco Interamericano de Desenvolvimento - Todos os direitos reservados.